O uso de marcadores sorológicos, em exames laboratoriais possibilita a detecção das hepatites A, B e C no soro (parte líquida do sangue) de pacientes infectados. Antígenos (uma bactéria, por exemplo, ou o vírus no caso da hepatite) e anticorpos (proteína produzida pelo sistema imune quando organismo e atacado por algum antígeno) são específicos de cada vírus detectáveis no soro.

Nesta semana de luta contra as hepatites virais, uma das doenças que mais matam no mundo todo, vamos abordar questões relativas a diagnóstico laboratorial da doença, os exames mais usados na rotina clínica para saber se tem hepatite. A Iara Grisi em sua série de reportagens sobre doenças transmitidas pela água, falou sobre a hepatite A.

Os principais marcadores, exames para detectar a doença

Para o vírus da Hepatite A (HAV):

Para o Vírus da Hepatite B (HBV):

  • HBsAg – Detecta antígenos de superfície do vírus da hepatite B
  • Anti-HBs – Detecta anticorpo contra o antígeno de superfície do vírus da hepatite B
  • Anti-HBc IgM – Detecta anticorpo IgM contra o antígeno CORE do vírus da hepatite B
  • Anti-HBc – Detecta anticorpo total (IgG + IgM) contra o antígeno CORE do vírus da hepatite B
  • HBe Ag – Detecta antígeno “e” do vírus da hepatite B
  • Anti-HBe – Detecta anticorpo contra o antígeno “e” do vírus da hepatite B

Para o vírus da Hepatite C (HCV):

  • Anti-HCV – Detecta anticorpo contra o vírus da hepatite C

Antes de falar sobre cada um deles, assista ao vídeo sobre hepatites.

Identificação laboratorial da hepatite A

Anticorpos anti-HAV IgM aparecem no soro em torno de quatro semanas após a exposição, é característico de infecção aguda por esta doença, na mesma época os sintomas do conhecido amarelão estão evidentes. O anti -HAV IgM vai desaparecer depois da 16 a 20 semana após o início da infecção.

Os anticorpos anti-HAV IgG vão gradativamente substituindo os anticorpos HAV IgM, os quais vão permanecer durante toda a vida da pessoa, e sua positividade é indicativo de imunidade contra o vírus da hepatite A, verifica também resposta vacinal.

Identificação laboratorial da hepatite B, curso sorológico típico

Os marcadores sorológicos da hepatite B surgem em vários momentos da infecção. O HBsAg e o anti-HBc IgM são característicos de infecção aguda e o HBeAg, anti-HBc IgG, anti-HBe e o anti-HBs informam sobre a evolução clínica da doença.

HBsAg apresenta positivo antes mesmo dos sintomas, é o primeiro marcador que aparece, coincidindo com os sintomas quando atinge concentração máxima.

O HBeAg surge no início da infecção, pois detecta o antígeno propriamente dito, permanece por várias semanas e é muito importante para caracterizar a multiplicação viral, consequentemente este paciente poderia transmitir o vírus a outras pessoas nesta fase.

O Anti-HBc IgM, como já disse, aparece na fase aguda, podendo continuar positivo por até oito meses após o início da infecção.

O Anti HBc IgG vai substituindo gradativamente o anti-HBc IgM e na maioria das vezes persiste por toda vida, útil para indicar que em algum momento da vida esta pessoa foi infectada pelo vírus da hepatite B.

O anti-HBc Total (IgG+IgM) exame que define a etiologia da doença, aparece positivo na fase entre o desaparecimento dos antígenos e o aparecimento dos anticorpos.

O anti-HBe pode apresentar positivo após o desaparecimento do HBeAg, indicando portanto redução da multiplicação viral e provável evolução para a cura da doença.

O Anti HBs surge depois do desaparecimento do HBsAg e indica imunidade em relação à infecção pelo vírus ou então pela vacina tomada.

Em cerca de 5% a 10% dos casos de infecção pelo vírus da hepatite B não ocorre formação de imunidade, fica configurado que ocorreu uma evolução para forma crônica da doença.

No caso a hepatite B a dúvida que sempre ocorre, sejam pacientes no hospital que eu trabalho, ou mesmo aqui no blog, é a questão do Anti-HBs positivo, o que significa? Confirma que estou com a doença? Como disse anteriormente, Anti-HBs indica imunidade, por ter tido a doença ou por ter sido vacinado contra a hepatite B.

Em casos que a hepatite B evolui para a forma crônica como os exames aparecem, sorologicamente como podemos identificar

A permanência do HBsAg por mais de 6 meses caracteriza a forma crônica da hepatite B, ele está sempre presente quando pesquisado em casos de cronicidade.

Eventualmente é possível detectar em infecção crônica o HBeAg indicando uma forma mais grave da infecção, e a presença do Anti-HBe indicando um estágio com reduzida multiplicação viral.

Identificação laboratorial da hepatite C

O anti-HCV é encontrado tardiamente, por volta de três meses após a infecção, antes deste período só é possível identificar a infecção pelo RNA por métodos de biologia molecular.

Para definição de diagnóstico etiológico das hepatites nos laboratórios de saúde pública são pesquisados os marcadores Anti-HAV IgM, HBsAg, Anti-HBc IgM e anti HCV.

Para publicar estas informações tive a colaboração do manual telelab do ministério da saúde, minhas observações e demais adendos de blogs citados.