Urina vermelha, verde, alaranjada, azul ou marrom – Medicamento, alimento ou doença

Hoje recebemos uma urina com cor verde, acontecimento normal em se tratando de laboratório dentro de um hospital, além desta coloração verde ainda podemos encontrar urina, marrom, vermelha, azul, alaranjada, cor de coca-cola, rosa ou roxa. Esta coloração pode ser importante para o diagnóstico de doenças, mas também pode ser apenas resultado de algum produto ingerido. Os principais motivos são ingestão de medicamentos, suplementos vitamínicos, alimentação e alguns tipos de doenças.

Assim como a urina espumosa tem uma explicação, a urina colorida também tem um motivo. Menos frequente que em urinas de pacientes hospitalizados, as pessoas em suas casas também podem encontrar urinas com cores diferentes das que normalmente observamos, o amarelo citrino, claro ou escuro, nestes casos a maioria das vezes é por ingestão de suplementos vitamínicos, alimentos e em alguns casos também por outras drogas.

Cores fortes apresentadas nas amostras de urina, podem representar motivo de solicitação de nova amostra pelo laboratório que vai realizar o exame, a urina com estas características é um interferente na realização do teste em fita, quando mergulhamos a tira reativa na urina, o pigmento presente nesta amostra biológica pode mascarar o resultado, podendo dar resultado falso positivo ou falso negativo.

Os fabricantes de fitas reativas usadas para verificar a presença de urobilinogênio, glicose, corpos cetônicos, proteína, bilirrubina, nitrito, sangue, densidade, leucócitos, avisam: “Os efeitos de drogas e outros metabólitos nos testes individuais de tiras reagentes, não são conhecidos em todos os casos, sendo assim é importante repetir o exame após retirada do agente interferente”, por exemplo, a análise de corpos cetônicos pode ser falso positivo em urinas de coloração forte.

O ideal é fazer o exame de urina antes de começar algum tipo de tratamento medicamentoso, difícil ser respeitado em casos de pacientes internados.

Temos vários casos de medicamentos que causam alteração na cor da urina, por isso verifique na bula do seu medicamento: “Este medicamento pode alterar a cor da urina”. Exemplos de drogas, alimentos e doenças que conferem cor diferente à urina podem ser vistos abaixo.

Urina vermelha, marrom, cor de rosa

Medicamentos ou alimentos – Beterraba, ruibarbo, páprica, ou outros alimentos vermelhos. Infecções que causem sangramento, anemia hemolítica, icterícia e hepatites virais. A cor rosa pode manifestar em ingestão de medicamentos com fenolftaleína e laxantes.

Urina amarela ou alaranjada

Alimentos como ruibarbo ou beterraba podem causar esta coloração na urina, a causa mais comum de uma urina alaranjada ou vermelha é o pyridium, medicamento usado para infecção urinária. A bula adverte: “Este medicamento torna os fluídos corporais vermelhos, efeito é inofensivo, desaparece depois de parar o medicamento. O medicamento irá alterar a cor da urina para uma urina cor de laranja escura ou vermelha”.

Urina verde ou azul

Anticoagulantes orais, corantes artificiais de alimentos, beterraba, aspargo, azul de metileno, propofol, amitriptilina, multivitaminas.

Pode ocorrer também urina preta, causada por um tipo de doença genética conhecida por alcaptonúria, mas é rara, esta melanúria pode ser sugestivo de uma doença hepática.

Outros medicamentos que alteram a coloração da urina:

  • Annita
  • Varfarina
  • Stresstabs
  • Polivitamínicos
  • Poliminerais
  • Rifampicina
  • Entacapona
  • Rifabutina
  • Sulfas
  • Prometazol

Quando estiver fazendo uso de algum medicamento ou alimento que esteja deixando a urina colorida, isso não é um problema, assim que interromper o uso da droga a urina volta a ter a coloração normal, mas não se esqueça que é importante seu médico ser informado na sua próxima consulta sobre esta cor apresentada na urina. Alguns metabólitos que mudam a cor da urina podem levar ao longo do tempo (uso prolongado) a danos renais.

Autor Silvano Vilela

Escreve sobre exames laboratoriais, testes de farmácia e tecnologia em saúde. Compartilha neste site que fundou em 2006 experiência de um laboratório dentro de hospital.