Meningite bacteriana, um caso positivo no exame laboratorial

Hoje, no laboratório recebemos um líquor coletado de uma criança que deu entrada no pronto atendimento do hospital nesta manhã, os sintomas eram fortemente indicativos de meningite. Solicitado o exame laboratorial líquor rotina e cultura, realizamos a testagem da amostra para verificar a presença de bactérias no material, especialmente diplococos gram negativos.

A análise do material biológico líquor é primordial para identificação de uma meningite. Bactérias, fungos ou vírus podem ser os causadores de meningite, uma inflamação das meninges, que são as membranas que envolvem o cérebro. A meningite meningocócica é causada pelo meningococo, uma bactéria, muito contagiosa. Pode ser transmitida pelo paciente doente ou algum portador ao tossir, falar ou espirrar.
Os sintomas como, febre alta, vômitos, rigidez no pescoço em adultos, e em bebês choro agudo e rigidez corporal com movimentos involuntários, moleira tensa, podem ser observados nos casos de meningite.
Segundo manual de critérios e confirmação de meningite os parâmetros para diagnóstico são:

Quadro clínico compatível (síndrome infecciosa com um ou mais sinais de hipertensão intracraniana e/ou síndrome radicular) e alteração no quimiocitológico (ou citoquímica) do líquor, com:
Celularidade aumentada:
recém-nascidos – acima de 15 células/mm3;
menores de 1 ano – acima de 10 células;
com 1 ano ou mais – acima de 4 células.
Bioquímica alterada:
Proteínas aumentadas: >25 mg/dl (punção suboccipital) ou >40 mg/dl (punção
lombar).
Glicorraquia diminuída: abaixo de 2/3 do valor da glicemia.
Cloretos diminuídos: RN < 702 mg%.
Crianças maiores que 3 meses e adultos < 680 mg%.

Ao realizar o exame do líquor deste paciente que recebemos no hospital, proveniente de outra cidade, fizemos a contagem de leucócitos e apresentou valor aumentado, a análise bioquímica mostrou glicose baixa e proteínas elevadas, mas não restou dúvidas sobre um caso de meningite bacteriana quando observamos a lâmina ao microscópio, com coloração de gram, e observamos uma quantidade enorme de diplococos gram negativos.  O material foi também encaminhado para realização de cultura.

Amanhã volto neste post para relatar o estado do paciente depois de ter iniciado medicação. Até mais.

[Atualização] Como tinha prometido, estou atualizando este texto. Infelizmente o paciente, uma criança, foi a óbito. As chances eram pequenas, as estatísticas indicam uma alto índice de mortalidade quando ocorre uma infecção por este tipo de patogeno.

Autor Silvano Vilela

Escreve sobre exames laboratoriais, testes de farmácia e tecnologia em saúde. Compartilha neste site que fundou em 2006 experiência de um laboratório dentro de hospital.