Toque retal e PSA podem ser desnecessários como exames de rotina da próstata, diz INCA

A realização de exames preventivos regulares sempre esteve presentes nos programas de saúde municipais, e nas políticas do ministério da saúde, no caso do câncer de próstata, o INCA – Instituto Nacional do Câncer, coloca em dúvida a necessidade da realização dos exames toque retal e do PSA – Antígeno Prostático Específico, seguindo o que é preconizado pela OMS – Organização Mundial da Saúde, em casos que não exista sintomas clínicos da doença, proposta que a Sociedade Brasileira de Urologia não aceita.

A gerente de Divisão de gestão da Rede Oncológica do Instituto Nacional do Câncer (INCA), diz que não existem evidências científicas de que o rastreamento para o câncer de próstata reduza a mortalidade causada pela doença.

Este tipo de Câncer tem uma particularidade, mesmo sendo frequente em homens acima de 50 anos, grande parte não se desenvolve, nunca causariam problemas de saúde ao paciente, nos casos que são descobertos, os pacientes são tratados, passam por sérios transtornos, pois os procedimentos são agressivos e comprometem muitas funções fisiológicas (causa impotência sexual), psicológicas, além de outras intercorrências, em muitos casos este câncer, nem iria se desenvolver.

“Estudos demonstram que o câncer de próstata é evidenciado histologicamente em 30% dos exames pós-morte em homens com mais de 50 anos. Isso significa que, num grande número de homens, a doença está presente, mas nunca evoluirá”, pontua Ana Ramalho.

De acordo com estas observações, seria indicado realizar o toque retal somente homens que tenham sintomas evidentes, urinar repetidas vezes, principalmente à noite; sangue presente no exame urinário (EAS), jato fraco e dor ao urinar, seriam as condições para realizar o exame toque retal durante a consulta clínica.

Além disso, o exame PSA, o qual realizo no laboratório onde eu trabalho, também “estaria na berlinda”, o exame teria que ser realizado apenas quando os sintomas do câncer de próstata estivessem presentes.

A Organização Mundial de Saúde também não recomenda a estruturação de programas de rastreamento para o câncer de próstata.

Diferente do que recomenda o INCA e a OMS, a Sociedade Brasileira de Urologia preconiza que o exame deve fazer parte da rotina clínica para rastreamento da doença.

Tanto o toque retal como o PSA, não são adotados como política de saúde para rastrear câncer de próstata em outros países, a não ser os EUA que utilizam largamente o PSA.

Mas o INCA recomenda que os homens façam a opção pela realização do exame ou não, e os médicos devem informar sobre os riscos que estaria exposto em casos indicativos de tratamento, e serem informados também sobre o risco de não tratar e a suspeita clínica evoluir para um câncer.

Os homens podem ficar um pouco bravos com o que eu vou dizer, mas acredito que os exames, toque retal e o PSA, devam continuar sendo realizados pelos médicos assistentes, é a forma mais prudente de agir neste momento que os estudos ainda não confirmaram que eles tenham que ser reservados apenas para os casos que apresentem sintomas clínicos, mesmo que algumas destas pesquisas indiquem seu uso apenas nestes casos.

Adotar hábitos saudáveis de vida, diminuir consumo de álcool, não fumar, fazer exercícios pelo menos 30 minutos diários, são práticas capazes de reduzir o risco de desenvolvimento de certas doenças, entre elas o câncer.

Você vai fazer o toque retal ou não?

—-

[Atualização 23.11.08]

Depois de muitas opiniões, algumas delas registradas nos comentários, o INCA , muda de opinião quanto ao assunto do câncer de próstata, volta atrás e pede que os pacientes não deixem de visitar seu médico regularmente e principalmente fazer os exames de toque retal e PSA rotineiramente, como sempre foi, alegam que ocorreu um equivoco.

“Houve, sim, um equívoco de comunicação. Houve uma confusão em relação ao que foi dito e ao que foi divulgado. Na realidade, o Inca não deixa de recomendar que os pacientes vão aos seus médicos, a seus urologistas, que eles façam o exame completo”, admite o vice-diretor do Inca Luiz Augusto Maltoni.

Portanto como eu havia dito, seria  mais prudente aguardar o desenrolar dos fatos, homens como já havia recomendado em um outro texto, continuem fazendo seus exames de rotina, começando aos 40 anos aqueles que possuem alguma história de câncer de próstata na família, e aos 45 anos, homens que não possuem nenhuma história familiar desta doença.

O espaço está aberto para quem quiser emitir sua opinião, claro, de maneira equilibrada e sem ofensas, como sempre foi feito.

———————————————————————————–

Não esqueça, participe do BlogSecreto, uma atitude em prol de uma criança carente, e ainda ganhe prêmios, um DVD portátil, camiseta e livro.

———————————————————————————–


Escreve sobre exames laboratoriais, testes de farmácia e tecnologia em saúde. Compartilha neste site que fundou em 2006 experiência de um laboratório dentro de hospital.

  • http://renatapinheiro.com Renata Pinheiro

    Também acho que os exames devam continuar sendo feitos. Esperar que os sintomas apareçam para só então fazer exames me parece muito arriscado. Seria o mesmo que as mulheres pararem de fazer o auto-exame das mamas e papanicolau a cada 6 meses… Se tem como diagnosticar um problema sério de saúde ainda no início, dando chance para um tratamento mais efetivo, pra que esperar?

    • marcia cristina casquet

      por favor, vc pode me ajudar?
      meu pai fez exame psa feito em campanha,quando fui pegar o exame a moça me perguntou se ele ja fazia tratamento, eu me assustei pq ele nunca sentiu nada nem dor nem sangramento, nada que possa justificar um psa tão elevado de 25,4, foi ao urologista, e o médico disse que é muito pequeno o problema qdo fez toque retal, e tm,b fez perguntas a respeito da saude, ele disse que o valor elevado não bate com o pequeno problema que pode ser tratado nada de grave, assim ele disse, mandou repetir o psa, vc acha que pode ser grave? obrigada

      • http://www.plugbr.net Silvano Vilela

        Conforme indicado, o exame deve ser repetido, fatores externos como andar de bicicleta antes do exame, relação sexual, medicamentos, podem afetar o exame veja mais sobre isso nos textos do blog http://www.plugbr.net/tag/psa

  • http://www.plugbr.net Silvano Vilela

    Isso mesmo, Renata, o que pode ser feito é deixar que o paciente opte ou não pelo tratamento, este sim, muito agressivo, mas quanto a realização do toque ou PSA, acredito que são importantes, temos opções para descobrirmos mais cedo o problema, e não fazer uso delas, não seria muito sensato. Mas, e os homens…

  • http://inominado.wordpress.com Inominado Anônimo

    Que isso rapaz??? Colocando notícias assim no seu blog você vai perder um grande filão de visitas, aquelas daquelas pessoas que fazer visitas semanais no Urologista! :P
    abração

  • Pingback: Meu Google Reader [ 10/11 - 20/11] | 30 & Alguns

  • http://www.procurar.wordpress.com maristela simonin

    Silvano, concordo com você. Acho que os exames devem ser feitos. Pelo menos o PSA e a ultra-sonografia da próstata. É o que recomenda o urologista de meu marido. Meu cunhado, irmão dele, foi ao urologista aos 49 anos. Já tinha metástase de próstata e morreu 9 anos depois (em fevereiro último), havendo gasto uma fortuna com medicamentos moderníssimos, importados dos Estados Unidos. Sei que, no geral, o câncer de próstata evolui lentamente, mas as exceções existem e acho que não se deve dar bobeira pra elas não. O oncologista nos disse que se meu cunhado tivesse feito os exames quando fez 40 anos muito provavelmente teria ficado curado.
    Estatisticamente falando, a revisão de dois estudos da OMS também informa que o auto-exame não faz cair a taxa de mortalidade por câncer de mama na população. No entanto, conheço numerosos casos individuais de mulheres que descobriram elas mesmas um câncer de mama, embora sem a regularidade e rigor técnico do auto-exame. Eu sou uma delas. Dez anos depois, estou viva e com ótima saúde, graças a Deus. Umberto Veronesi, um dos maiores especialistas em mama do mundo, informa que o auto-exame(ainda que não seja rigoroso nem seja feito com a regularidade e a técnica tradicionalmente recomendadas) tem salvo muitas vidas na Europa, embora se saiba que os tumores muito pequenos só são descobertos pela mamografia e outros exames por imagem.
    Maristela.
    MAMAblog
    http://www.procurar.wordpress.

  • Alessandro

    Olá,
    Segundo a legislação e código de ética médica todo paciente tem o direito de se escolher o próprio tratamento sabendo das vantagens e desvantagens do mesmo. Fica a critério do paciente realizar ou não o Toque retal essencial após os 40 anos de idade.

    O toque retal não serve somente para a palpação e rastreamento de patologias prostáticas. Há também casos de câncer retal (ótimo prognóstico se for diagnosticado precocemente) no qual é essencial o toque retal.

    “Hemorróidas” que todo mundo tem e alguns apresentam a DOENÇA hemorroidaria devem ser examinadas e se não houver dor no momento da consulta deve ser realizado o toque retal para verificar ausências ou não de outras patologias e se for o caso realizar colonoscopia.

    Devemos sempre levar em conta a HDF (história da doença familiar), doenças prévias em familiares (com grau de consanguineidade).

    Realmente a maioria das pessoas não desenvolvem o câncer maligno, mas é muito importante fazer a diferenciação entre HIPERPLASIA E CÂNCER.
    Para que haja uma melhora na QUALIDADE de vida do paciente.
    Nenhum médico é obrigado a salvar ninguém, porque nós também morremos, mas deve aplicar o melhor tratamento disponível para cada paciente.

    80% dos câncer de próstata podem ser detectados pelo método do PSA e outros 20% pelo exame do toque retal.

    Se quiserem mais detalhes sobre o exame do PSA poderei passar mais adiante em outra ocasião.

    Espero ter ajudado
    Abraço
    AZ

  • Carlos Marcello

    Sou médico professor da USP, clínico geral e cardiologista, dou aula para alunos de 6o ano da Faculdade de Medicina da USP no Hospital Universitário da USP. Exames de rastreamento não devem ser preconizados somente porque “parecem” ser bons ou porque “parecem” ser razoáveis. Deve haver um estudo que comprove que uma população representativa de homens que se submeteu regularmente a rastreamento do câncer de próstata tiveram *realmente* uma queda na mortalidade pelo câncer de próstata depois de um determinado número de anos. É assim que todas as ações de check-up são propostas. O que acontece no caso do rastreamento do câncer de próstata é que há 2 grandes estudos sendo conduzidos, um na Europa e outro nos EUA e que somente terão os resultados ao redor do ano 2013. Por outro lado, há dados que sugerem que o rastreamento de câncer de próstata pode ser, na realidade, de forma paradoxal até, lesivo aos indivíduos que se submetem a ele. Há evidências de que muitos cânceres de próstata tenham um comportamento de crescimento tão lento que jamais se manifestarão em vida e esses tumores, quando são encontrados em um rastreamento, conduzem, na maioria das vezes, o indivíduo à cirurgia de retirada da próstata que ocasiona disfunção erétil em 50% dos indivíduos e incontinência urinária em outros 10%. Esses resultados dependem do cirurgião e a maioria dos cirurgiões não se submete à observação de seus resultados cirúrgicos. A conseqüência nefasta de uma prostatectomia em uma pessoa com um câncer de próstata que jamais iria se manifestar em vida é o de, por exemplo, como eu já vi, um homem na plenitude de seus 50 anos ficar absolutamente incapaz de manter relações sexuais (somente um implante de prótese peniana poderá ajudá-lo) e … usando fraldão para não perder urina nas calças e na cama. E … sem a contrapartida de que – realmente – foi salvo de alguma coisa. É um quadro dantesco.
    Nos EUA, a instituição que é a maior autoridade em prevenção, o United States Preventive Services Task Force (USPSTF – digite isto no Google e vc chegará à página), na revisão da literatura disponível até 2008, concluiu que não há evidências suficientes para se recomendar ou não recomendar o check-up da próstata. A recomendação é a de que os médicos devem discutir com os pacientes os riscos e potenciais danos desse check-up, deixando claro que pode haver benefício, mas pode haver dano sem a contrapartida de benefício; isto é, trata-se de algo realmente perigoso fazer o check-up da próstata. O grande problema não é o de um indivíduo decidir por se submeter regularmente a esse procedimento. No meu modo de ver, o grande problema é o de que no Brasil as Sociedades de Urologia e as notícias, até a semana passada, quando o INCA fez a sua primeira recomendação, davam conta à população de que “o check-up da próstata tratava-se de um consenso médico, absolutamente suportado por estudos científicos”. Isso não é verdade. O INCA foi pressionado a mudar o discurso, mas … observem que ele ainda mantém o conceito de que não há comprovação científica da utilidade do rastreamento do câncer de próstata. Mais uma vez, sugiro que os leitores se ilustrem no site do USPSTF ou no Canadian Task Force que chega a conclusões semelhantes.

  • Gilberto Fernandes

    Creio que devemos seguir um consenso da OMS. O PSA em conjunto com o toque pode e livra muitos homens do inconveniente de um adeno carcinoma de próstata ou de uma HPB. O exame clínico é SOBERANO, e SEMPRE O SERÁ…

    A elasticidade da Próstata detectado no toque é IMPERATIVO para condutas complementares e específicas. É só conversar com um Urologista que será comprovado o que escrevi. Agora lidar com estatísticas é um problema, principalmente quando a sua é baixíssima e você se dá mal…

    O MELHOR REMÉDIO É A PREVENÇÃO.

    SIGAM O QUE DIZ A OMS ATÉ QUE ELA MUDE OU ESTABELEÇA OUTRA AÇÃO.

    Há até quem diga que os valores do PSA deve ser revisto, face o resultado do exame ser alterado por diversas condições.

    • Carlosghetti

      Dr. carlos marcelo acho que o senhor tem razão no que diz sobre o rastreamento do cancer de prostata, (principalmente a retirada total da prostata) linum jornal de grande circulação um editorial de um famoso urologista carioca com experiencia internacional repetindo as palavras do senhor se manifestando contra tratamentos agressivos imediatos em pacientes com PSA alto e prostata comprometida.Ele aconcelha o toque retal e o exame de PSA normalmente para todos os homens a partir dos 40 anos.Eu tenho psa alto 3,9 para 54 anos e prostata normal,e estou sempre fazendo acompanhamento com ultrasonografia,da bolsa escrotal .tranretal,prostata,etc………..mas acho a opinião do senhor correta.

  • Pingback: Silvano Vilela

  • carlosghetti

    Pessoal deixe de bobagem a famosa dedada no anus (touqe retal) não doi nada e é tão rapido que os medrosos vão sair dando risada de si propio e é fundamental para detectar alguma anomalia na prostata.

  • Pingback: Meu Google Reader [ 10/11 - 20/11] | 30 e Alguns

  • Pingback: Teste de urina pode ajudar a prever risco de câncer de próstata evitando biópsia desnecessária | Plugbr.net