Em dois estudos internacionais: as doenças infecciosas emergentes e The Journal of Clinical Microbiology resultaram na descoberta de testes extremamente eficientes em escala mundial, capazes de adaptar tratamentos com antibióticos para as necessidades do indivíduo e com mais sucesso no controlo de resistência a antibióticos, principalmente em hospitais.

Estes testes de diagnóstico permitirá a rápida identificação de certas bactérias que são resistentes a antibióticos e, por conseguinte irá melhorar o tratamento, reduzindo o uso de antibióticos de amplo espectro, proporcionando uma rápida atuação para deslocar pacientes infectados para área isolada no hospital, evitando disseminar bactérias entre outros pacientes.

Especialmente importante no caso de certas espécies de bactérias, bacilos Gram-negativos tais como Enterobacteriacae.

Considerando alguns antibióticos como as cefalosporinas de amplo espectro, costumavam ser reservados para os casos mais graves, já há casos em que eles são totalmente inativos contra certas bactérias e, consequentemente, não existe um tratamento eficaz com antibióticos para estes.

Tentando minimizar este problema do surgimento de um grande número de resistências, pesquisadores desenvolveram um sistema capaz de detectar rapidamente as duas enzimas responsáveis por causar a resistência às bactérias de duas classes de antibióticos comuns: de amplo espectro, cefalosporinas e Carbapenens. Nestes testes, a presença de uma enzima, indica a existência de uma bactéria resistente.

Os novos testes podem ser realizados por meio de bactérias isoladas a partir de amostras de urina recolhidas ao detectar uma infecção, pode ser também de bactérias presentes nas fezes. O resultado é liberado em menos de 2 horas, já os teste tradicionais levam 24 a 72 horas. Os testes são altamente sensíveis e altamente confiáveis(100%). São totalmente inofensivo, uma vez que são realizadas em bactérias isoladas a partir de pacientes ou de produtos biológicos, tais como urina, etc.

Os testes podem ser usados no leito do paciente, devem otimizar o uso de tratamento com antibióticos, em particular nos países em desenvolvimento, onde os níveis de resistência são extremamente elevados.

O teste está em desenvolvimento para finalizar aprovação, devem estar disponíveis em cerca de 12-16 meses, porém as técnicas estão disponíveis para qualquer laboratórios especializados que queiram desenvolvê-las.