Presente em diversos produtos alimentícios e utensílios para o lar, algumas substâncias químicas podem estar causando obesidade na população ao redor do mundo quando usados continuamente. Pesquisas demonstram que tais produtos químicos danificam hormônios humanos responsáveis pela comunicação entre o intestino e o cérebro, principalmente durante desenvolvimento fetal, promovendo obesidade no futuro.

Três substâncias químicas fizeram parte da pesquisa, butilhidroxitolueno (BHT) é um antioxidante comumente adicionado aos cereais do café da manhã e outros alimentos para proteger os nutrientes e evitar que as gorduras se deteriorem, ácido perfluorooctanoico (PFOA) é um polímero encontrado em alguns utensílios de cozinha, carpetes e outros produtos, tributilestanho (TBT) é um composto de tintas que podem entrar na água e se acumulam em frutos do mar. A exposição principalmente durante as janelas críticas do desenvolvimento de células tronco no útero podem alterar o controle metabólico normal.

Produtos químicos perturbadores endócrinos

A exposição persistente a estes produtos químicos perturbadores do sistema endócrino principalmente durante o desenvolvimento fetal pode levar a uma interrupção da homeostase metabólica que contribui para a obesidade infantil.

Poluentes ambientais penetrantes, conhecidos como produtos químicos perturbadores endócrinos.

Estes produtos perturbam o desenvolvimento normal de tecidos e interferem nos controles homeostáticos do corpo.

As exposições repetidas desses “obesogênicos” durante as janelas críticas do desenvolvimento de células tronco no útero podem alterar o controle metabólico normal de alguns indivíduos geneticamente predispostos podendo causar obesidade a longo prazo.

Exposição prolongada pode causar obesidade

Pesquisa publicada em Nature Communications realizada por Cedars-Sinai Medical Center, demonstra como a exposição prolongada aos produtos químicos podem interferir nos sinais enviados pelo sistema digestivo para o cérebro.

As perturbações durante o desenvolvimento devido a fatores ambientais, podem ter um papel na disfunção das interações intestino e cérebro, trazendo assim transtornos alimentares e obesidade.

A comunicação permite que as pessoas percebam que estão “cheias” e parem de comer.

Quando este sistema de sinalização quebra, as pessoas muitas vezes podem continuar comendo, fazendo com que eles ganhem peso.

Dhruv Sareen, PhD, professor assistente de Ciências Biomédicas e diretor do Instituto Núcleo de células estaminais pluripotentes, demonstrou que cada um desses produtos químicos danificou hormônios responsáveis pela comunicação entre intestino e o cérebro.

Dos três produtos químicos testados pela equipe, o BHT produziu alguns dos efeitos prejudiciais mais evidentes.

E quando os três produtos juntos estão sendo consumidos ou usados com frequência os danos são muito mais evidentes.

Estudos anteriores já demonstravam estes danos a hormônios importantes, foram usados ratos nestes trabalhos.

Mas nesta pesquisa recente usaram células tronco e tecidos pluripotentes humanos, tornando resultados mais confiáveis.