Programa brasileiro de Aids é uma exceção das malfadadas políticas públicas do país

O nosso país é reprovado em muitas políticas públicas, programas de governo mal sucedidos, sistema educacional que remunera pessimamente seus professores como muito bem exposto por Noronha, aplica-se o dinheiro de maneira desordenada (algumas vezes de maneira ordenada direto para cuecas, mala preta, contas de deputados) e sem estudos de qualidade que atestem as necessidades, mas um programa brasileiro baseado na integralidade como foco principal de luta contra a AIDS, desentoa das outras políticas e em 1986 começava a ser implementada uma verdadeira política pública com o programa Nacional de combate à doença. Com o passar dos anos algumas dificuldades ocorreram e o programa foi sendo moldado e em 1996 um decreto presidencial garantiu o acesso universal aos medicamentos contra o HIV, além do investimento na doença propriamente dita um grande enfoque foi dado na prevenção e cuidados.

medicamento.gifEstudos realizados pela OMS – organização Mundial de Saúde, no período de 1994 a 2002 indicam que no campo da prevenção acontece uma média de quatro campanhas por ano no país. Evitou-se nestes anos 600 mil infecções pelo HIV, o uso do preservativo aumentou nesta época cerca de 48% entre jovens, influenciado pela compra e distribuição de preservativos pelo governo que cresceu quinze vezes.

O Brasil foi o único país do mundo a distribuir preservativo feminino.

Alcançou-se uma redução considerável de infecção pelo HIV em grupos vulneráveis como profissionais do sexo, homossexuais e usuários de drogas injetáveis.

Governo garante tratamento a 100% das pessoas com AIDS com a lei 9313/96 (distribuição gratuita e universal de anti-retrovirais), e cai 50% o índice de mortalidade pela doença, crescendo 12 vezes a sobrevida dos pacientes de cinco para cinqüenta e oito meses.

Acreditem que conseguiu-se reduzir o custo de tratamento dos pacientes em 54%, sendo que os genéricos para Aids são até 80% mais baratos que os medicamentos de marca.

No campo dos direitos humanos a justiça brasileira concedeu parecer favorável a portadores do vírus em todos os processos movidos no país por discriminação no trabalho, escola, rede de saúde etc. E a lei 11.199/02 proíbe discriminação de portadores de HIV/aids.

A portaria ministerial de 18/11/02 institui o projeto nascer para evitar transmissão do HIV da mãe para o filho, estruturado e funcionando plenamente.

Podemos sim ter programas de sucesso e respeito internacional, basta vontade política e entendimento aos governantes que assumem os cargos estarem melhorando, adequando e fazendo os ajustes que são sempre necessários e não extinguindo programas que já estão em andamento, causando danos irreparáveis a saúde e a qualidade de vida da população com suas personalidades descontinuista, onde o que o seu antecessor começou deve sempre ser esquecido.

Quando se é movido por uma vontade verdadeira, um ideal, a política pública se consolida e atravessa anos tornando-se sólida resistindo até mesmo aos desmandos, falcatruas e politicagens passageiras.

Este texto foi útil? ⭐⭐⭐⭐⭐

Avaliação média: 4.6
Total de Votos: 58

Programa brasileiro de Aids é uma exceção das malfadadas políticas públicas do país
Compartilhe este texto

Sobre o autor

avatar
trackback
Telelab - Cursos de treinamento em diagnóstico laboratorial, educação à distância

[…] outro texto mencionei que o Programa brasileiro de Aids é uma exceção das malfadadas políticas públicas do país, o Telelab é parte da estratégia global do Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da […]

junior
Visitante
junior

É uma das poucas coisas boas feitas em gestões passadas que a atual não enfiou na lama. Bacana.
Abração meu broder, bom final de semana pra ti

junior
Visitante
junior

É uma das poucas coisas boas feitas em gestões passadas que a atual não enfiou na lama. Bacana.
Abração

Veridiana Serpa
Visitante
Veridiana Serpa

Bom saber que ainda tem algum programa do govero que funciona, isso mostra que o país poderia estar melhor em vários aspectos se os problemas fossem levados a sério.

Paulo Villela
Visitante
Paulo Villela

Temos potencial e capacidade para desenvolver diversos programas.
Como vc mesmo disse, basta apenas vontade política!

j. noronha
Visitante
j. noronha

Sabe que desisti da discussão, tem professor que é meio Dom Quixote (a maioria).

Imagina se dedicassem o dinheiro da CPMF e o do Pan-americano para a saúde, a coisa mudaria totalmente de figura em outras áreas também.

Neto Cury
Visitante
Neto Cury

OFF TOPIC
Tu viu a notícia que os cientistas conseguem transformar qualquer tipo de sangue em doador universal???
Fantástico hein!!!
Abração

Alexandre Fugita
Visitante
Alexandre Fugita

Uma coisa é certa: o Brasil tem um programa de prevenção e combate à AIDS/ HIV entre os melhores do mundo. Mas o resto…

Abraços!