Pedra nos rins – Doxazosina (duomo) e tansulosina (secotex) medicamentos usados para expelir o cálculo renal

A probabilidade de desenvolver uma pedra nos rins ou litíase urinária ao longo da vida, é de aproximadamente 5 a 12%, sendo que homens são mais afetados 13% e 7% nas mulheres. Buscar eliminar o cálculo presente nos rins ou ureter é o desafio. A utilização de medicamentos que possam facilitar a expulsão da pedra do aparelho urinário é uma necessidade, doxazosina (duomo) e tansulosina (secotex) são usados para esta finalidade, fármacos desta classe podem ser usados em cólicas renais.

Os índices de expulsão da pedra de forma espontânea são bastante elevados, porém o que vai determinar o sucesso neste procedimento são o tamanho, a forma e a localização do cálculo. Doxazosina (duomo) e tansulosina (secotex), são da mesma classe de medicamentos, os antagonistas α adrenérgicos.

O cálculo renal ou pedra nos rins

Quando o cálculo ou pedra que é formada nos rins desce através do ureter, que é o canal responsável por transportar a urina produzida nos rins até a bexiga, a pessoa vai sentir fortes dores.

É neste momento que normalmente os pacientes decidem procurar um hospital para controlar as dores e procurar os meios para eliminar a pedra que está causando o problema.

Geralmente ao chegar no hospital, o médico facilmente identifica que é um caso que a pedra desceu dos rins e ficou parada em algum local no ureter.

Esta pedra pode ficar parada na parte alta do ureter, na parte mediana, ou na parte final do ureter, aquela mais próxima da bexiga.

A tomografia computadorizada das vias urinárias vai identificar a pedra e mostrar suas características, e também sua localização.

Portanto, se o cálculo estiver na parte alta dos rins, claro que o percurso a ser percorrido será maior e geralmente mais difícil.

Cálculos maiores devem ter mais dificuldade ou até mesmo não consigam descer até a bexiga, e neste processo as características da pedra também influenciam.

Caso a pedra seja muito áspera, tenha muitas ranhuras, pontas, certamente também dificultará a descida. Porém se for uma pedra lisa terá mais facilidade de descer.

Eu já tive cólica de rins, era uma pedra pequena, siga este link para saber como eliminei o cálculo. A pedra era muito áspera o que dificultou a descida, ficando no ureter por mais de uma semana.

Pedras grandes podem requerer uma intervenção cirúrgica. Pedras menores geralmente vão descer naturalmente com o tempo.

Porém, alguns medicamentos podem ajudar neste processo. Antagonistas α adrenérgicos são uma das principais vias a serem adotadas. Representantes desta classe são a tansulosina e a doxazosina.

Vamos verificar duas classes de medicamentos utilizados para ajudar eliminar a pedra nos rins.

Uso de antagonistas dos canais de cálcio – Nifedipino

Os medicamentos conhecidos como antagonistas dos canais de cálcio, um dos representantes é o nifedipino, podem ser usados para eliminar a pedra. Agem na célula muscular lisa, reduzindo o cálcio intra-celular, e desta forma ocorre o relaxamento ureteral.

Ao relaxar o canal uretral, observa-se uma diminuição das crises de dor e facilita a migração da pedra.

Portanto, nifedipino pode ser usado em casos de pedras menores que 10 mm que não tenha complicações. Podendo ser usado em conjunto com outras medicações para favorecer a eliminação da pedra.

Uso de medicamentos Antagonistas α adrenérgicos – Tansulosina

Existe no ureter um predominio de receptores α. Rajpathy J et al. estudaram “in vitro” o
papel do antagonista α adrenérgico tansulosina no músculo liso ureteral.

Ela é responsável pela diminuição da quantidade de vezes que ocorre o peristaltismo da uretra e também da frequência. Isso, facilita o fluxo de urina em redor do cálculo, promovendo o relaxamento do músculo liso ureteral.

Estes medicamentos são úteis para eliminar a pedra e também reduzem o número de episódios sintomáticos.

Outro estudo realizado em pacientes com pedra menores que 10 mm na uretra avaliaram a eliminação de cálculos utilizando diclofenaco versus diclofenaco+tansulosina os índices favorecem amplamente a tansulosina, 90% contra 58% do diclofenaco, além disso reduziu o tempo até a eliminação da pedra de 7 dias e meio para 4 dias e meio.

Tansulosina

A tansulosina pode ser usada principalmente em cálculos que estejam na porção distal do ureter e tenham tamanho de 5 a 7 mm.

Na realidade, pedras de 5 a 10 mm localizadas no ureter distal possuem a taxas de emissão espontânea em torno de 25 a 53%.

Entretanto se o tamanho do cálculo for menor que 5 mm, estas taxas podem alcançar 71 a 98% de sucesso na eliminação.

Fármacos podem ajudar neste casos buscando facilitar a eliminação. Porém, é necessário analisar se não existe complicações, infecções ou outros fatores que possam levar a escolha de cirurgia.

Vamos ver os índices de eliminação da pedra usando três principais representantes da classe, tansulosina a terazosina e a doxazosina.

Sobre a doxazosina já comentamos aqui neste texto, acompanhe os detalhes deste medicamento.

A tansulosina obteve 79,3%, a terazosina 78,5% e 75,8% a doxazosina, de capacidade para fazer a pedra ser expelida.

Portanto, podemos observar nesta classe dos α adrenérgicos a propriedade de colaborar para a eliminação espontânea de cálculos, diminuição do tempo de expulsão, redução do número de episódios sintomáticos, proporcionado redução da utilização de analgésicos e diminuição da necessidade de utilizar outras terapêuticas complementares.

Para utilizar estes medicamentos é necessário que seu médico verifique se realmente é necessário. Pode ser que o caso tenha complicações além da presença do cálculo e apenas o médico será capaz de identificar com exames laboratoriais, de imagem e avaliação clínica.

Este texto foi útil? ⭐⭐⭐⭐⭐
Avaliação média: 4.9
Total de Votos: 14

Pedra nos rins – Doxazosina (duomo) e tansulosina (secotex) medicamentos usados para expelir o cálculo renal
Compartilhe este texto
avatar