As proteínas complementares são componentes do sistema imune inato, ele faz parte da defesa imunitária antígeno-inespecífica, pode ser ativado por duas vias: a via clássica, desencadeada, sobretudo por imunocomplexos ligados às células, e pela via alternativa, ativada, sobretudo por corpos estranhos, tais como os microorganismos. Componente complementar C4 é exclusiva da via clássica. Veja para que serve o exame e como coletar o sangue para verificar os níveis de C4.

A ativação do complemento é acompanhada de um consumo de componentes C3 (ver aqui sobre ele) e C4, de modo que a diminuição das suas concentrações ajudam no diagnóstico. Uma diminuição isolada de C4 pode manifestar-se no edema angioneurótico hereditário e em crioglobulinemias, lupo eritematoso sistêmico ativo (LES), glomerulonefrite.

Como coletar o sangue para verificar níveis de complemento C4

Para realizar este exame é necessário permanecer em jejum pelo menos 4 horas antes da retirada do material biológico.

O material usado é o sangue, retirado da veia do braço, depois colocado em tubos para ser encaminhado ao setor de análises.

O resultado, normalmente é liberado dentro de 1 a 2 dias após a coleta do sangue.

Valores normais e alterados

Os valores normais para o teste do complemento C4 pelo método de turbidimetria, seria de 19 a 52 mg/dL.

Conforme estudos estes valores correspondem a índices que estão dentro da normalidade.

Entretanto, os valores que estão fora desta faixa normal devem ser avaliados com cautela, pelo médico assistente.

Outras metodologias podem mostrar faixa de normalidade diferentes, verifique no resultado do seu exame.

Para que serve o exame Complemento C4

A determinação do nível de C4 é útil para avaliar a possível ativação da via clássica do complemento.

Quando os outros componentes do sistema estão normais, concentrações de C4 estando abaixo da normalidade podem ser decorrentes de deficiência congênita de uma, duas, três ou quatro cópias do gene C4 ou de deficiência congênita ou adquirida do inibidor C1 esterase.

Nesta última condição associada a crises de angioedema, os níveis de C1q encontram-se normais.

Componentes do complemento C3 e C4 reagem como proteínas da fase aguda, podendo por isso apresentar concentrações aumentadas nas doenças inflamatórias.

A literatura da especialidade descreve casos de défice hereditário de ambos os fatores do complemento.

A ausência de componentes iniciais (C1-C4) da cascata do complemento resulta na incapacidade dos complexos imunes para ativar a cascata.

Baixos níveis de complemento podem ser devidos a deficiências herdadas, deficiências adquiridas ou devido ao consumo do complemento.