Compostos derivados da uva podem atenuar a depressão

Sabemos o quanto um estado depressivo traz problemas para a vida da pessoa e para sua família, por isso, procurar evitar ou pelo menos minimizar seus efeitos é muito importante. Cientistas da Icahn School of Medicine no Monte Sinai descrevem análise de novos compostos derivados de uva, afirmam que podem ser usados como agentes terapêuticos para o tratamento da depressão. Os resultados do estudo indicam que esses compostos naturais podem atenuar a depressão.

A depressão está associada a uma multiplicidade de processos patológicos, incluindo a inflamação do sistema imunológico periférico, um conjunto de estruturas e processos biológicos nos gânglios linfáticos e outros tecidos que protegem contra doenças e anormalidades envolvendo sinapses, as estruturas que permitem que os neurônios passem um sistema elétrico ou sinal químico para outros neurônios.

Antidepressivos atualmente

Antidepressivos atualmente disponíveis são amplamente restritos para direcionar os sistemas que regulam a serotonina, a dopamina e outros neurotransmissores relacionados.

Não tratam especificamente da inflamação e desadaptações sinápticas que agora são conhecidas como associadas à doença.

Tratamentos farmacológicos convencionais são estimados para produzir remissão temporária.

Normalmente os tratamentos estão associados a efeitos adversos graves.

Os polifenóis derivados da uva

Pesquisas anteriores descobriram que os polifenóis derivados da uva têm alguma eficácia em aspectos moduladores da depressão.

Novo estudo, liderado por Giulio Maria Pasinetti, da Icahn School of Medicine no Monte Sinai, foi responsável por importantes descobertas.

Uma preparação de polifenóis alimentares bioactivos, a combinação de três produtos de polifenóis derivados de uva.

Incluindo um suco de uva, um extrato seletivo de semente de uva e trans-resveratrol.

Os novos compostos derivados de uva, ácido dihidrocaffeico (DHCA) e malvidina-3′-O-glucósido (Mal-gluc).

Pode ser desenvolvido como agentes terapêuticos para o tratamento da depressão.

Composto foi eficaz contra a depressão induzida pelo estresse em camundongos.

Ácido dihidrocaffeico (DHCA) modula a inflamação e Mal-gluc a plasticidade sináptica.

Resultados da pesquisa

A pesquisa mostra que o tratamento combinado com os dois compostos pode ser útil contra fenômenos de depressão mediados pelo estresse, modulando respostas inflamatórias sistêmicas e plasticidade sináptica cerebral em animais de laboratório.

Identificaram a necessidade de testar e identificar novos compostos que visam mecanismos patológicos alternativos.

Principalmente processos que envolvem inflamação e desadaptação sináptica, para indivíduos que são resistentes ao tratamento atualmente disponível.

A descoberta destes novos e naturais compostos de polifenóis derivados da uva direciona para caminhos celulares e moleculares associados à inflamação.

Fornecem uma maneira eficaz de tratar um subconjunto de pessoas com depressão e ansiedade, uma condição que afeta tantas pessoas

Este texto foi útil? ⭐⭐⭐⭐⭐
Avaliação média: 4.6
Total de Votos: 58

Compostos derivados da uva podem atenuar a depressão
Compartilhe este texto
avatar
trackback
Novos estudos indicam que o resveratrol do vinho ajuda no tratamento de depressão e ansiedade | Plugbr.net

[…] estudos anteriores, que já apresentamos aqui no site em outra ocasião, compostos derivados de uva, podem ser usados como agentes terapêuticos para o tratamento da […]