O exame de sorologia para vírus da rubéola busca detectar a presença de anticorpos na corrente sanguínea, que se desenvolveram em resposta a uma infecção por este vírus ou por imunização. Como o diagnóstico clínico nesta doença não é confiável, são necessários testes sorológicos para o diagnóstico, que pode ser realizado apenas pelo isolamento viral ou por testes sorológicos. Veja o significado de um resultado positivo ou reagente no exame de sangue rubéola IgG com o IgM negativo.

A rubéola é uma doença que afeta todo o organismo, sendo transmitida por inalação de gotículas infectantes. É moderadamente contagiosa, quando “pega” a doença, normalmente a pessoa adquire imunidade permanentemente. O principal problema relacionado com a rubéola consiste no seu efeito devastador sobre o feto no útero. A infecção durante gravidez, particularmente no primeiro trimestre, pode resultar em morte fetal ou a “síndrome de rubéola”, um espectro de defeitos congênitos que incluem catarata, surdez, glaucoma, doença de coração congênita, e retardamento mental. Aproximadamente 10-20% dos recém-nascidos infectados no útero não sobrevivem além do primeiro ano de vida.

Rubéola IgG e IgM, para que serve cada um dos exames

Para realizar este teste no laboratório de sua confiança leve o pedido de exame feito pelo médico. O exame não requer que a pessoa esteja em jejum para coletar o sangue.

Rubéola IgG

O exame serve para identificar se a pessoa está imune ou não contra o vírus causador da rubéola. A imunidade pode ser por ter recebido a vacina ou por ter tido a doença e naturalmente ficou imunizado.

Um resultado negativo e um segundo teste positivo para anticorpos IgG, entre duas amostras colhidas com diferença de dias ou meses, é a indicação mais precisa e específica de que, em qualquer momento daquele intervalo entre os dois exames, a pessoa teve uma infecção aguda.

Na infecção primária o IgG torna-se positivo a partir de 3 a 4 dias de doença, permanecendo indefinidamente. IgG de baixa avidez está presente por até 3 meses, sendo a partir de então detectado IgG de alta avidez.

Rubéola IgM

Este teste é útil para fins de verificar se existe uma infecção aguda causada pelo vírus da rubéola. Porém, devido a metodologias mais sensíveis e precisas usadas atualmente, se tornou mais fácil encontrar na análise concentrações bem pequenas de IgM.

Na infeção primária o IgM torna-se positivo 1 a 3 dias após início da doença, e pacientes podem apresentar reações positivas para o vírus por períodos maiores que 12 meses.

Portanto, atualmente, o entendimento sobre o exame rubéola IgM é de que, principalmente para gestantes, um resultado positivo não significa necessariamente que seja uma infecção aguda. Anticorpos IgM, quando detectados meses depois do início da infecção, devem ser considerados como sendo residuais.

O que mais preocupa em casos de rubéola, é na verdade a contaminação de gestantes. A doença causa sérios danos ao feto. A infecção fetal pode ocorrer em qualquer fase da gravidez, mas o dano maior ocorre no primeiro trimestre de gestação.

Visando identificar o provável período que teve a rubéola, um outro teste deverá ser realizado. O exame ideal neste caso é o teste de avidez da IgG, colaborando para o diagnóstico. No caso de recém-nascido, um resultado positivo indica uma infecção congênita.

Significado do resultado rubéola IgG positivo e IgM negativo

Normalmente quando recebemos o resultado de um exame como positivo, a tendência é achar que seja um problema, mas neste caso não é ruim. Pelo contrário, é bom quando temos rubéola IgG positivo e IgM negativo.

Exame de Rubéola IgG positivo e IgM negativoO exame de rubéola IgG, como visto acima, serve para verificar se a pessoa está ou não imune contra este tipo de vírus.

Esta imunidade, identificada no resultado do teste rubéola IgG positivo, pode ser por ter tomado a vacina contra esta doença, ou por ter tido a doença brandamente e agora está imunizado.

A vacina de rubéola normalmente induz imunidade 3 meses após ter tomado a injeção, e gera IgG positivo.

Apenas devemos destacar que um resultado de exame IgG positivo para esta doença, em um sangue colhido de uma mulher no início da gestação, é uma notícia boa. Mas se realizado tardiamente poderíamos suspeitar, de uma provável infecção com posterior imunização, no decorrer da gestação.

E o resultado de rubéola IgM negativo, quer dizer que não existe uma infecção causada por este vírus.

Muitas vezes, principalmente gestantes, relatam que nunca tiveram a doença rubéola e agora o resultado do exame IgG veio do laboratório como positivo. Quanto a este fato é interessante dizer que esta é uma doença, normalmente, muito branda e pode passar desapercebido, mas gerando imunidade.

Resultados do exame – Valores normais e alterados

Uma das metodologias utilizadas para realizar o exame de rubéola é a quimioluminescência.

Na metodologia acima citada, temos os seguintes valores de referência para Rubéola IgG:

  • O resultado é considerado como “Não Reagente” ou negativo quando o valor for inferior a 5 UI/mL.
  • Resultado considerado como “Indeterminado” quando o valor for de 5 a 15 UI/mL.
  • E um resultado considerado como “Reagente” ou positivo, quando o valor for superior a 15 UI/mL.

E os valores de referência para a rubéola IgM quando realizado pelo método Imunoenzimático:

  • Um teste é “Não reagente” quando o valor encontrado for inferior a 0,9.
  • O teste é “Indeterminado” quando o valor for de 0,9 a 1,1.
  • Um teste é considerado “Reagente” ou positivo quando o valor encontrado for superior a 0,9.

Verifique no resultado do seu exame, ao lado do valor encontrado, um campo com os valores de referência para a metodologia usada por este laboratório, siga estes valores para verificar se está positivo ou não.

Resultados falso positivo podem ocorrer

Pode ocorrer resultados falso-positivos para IgM ou indeterminados por reações cruzadas com outros antígenos, especialmente de outros vírus, com mononucleose infecciosa, infecções por parvovírus e vírus coxsakie B.