Escrevi vários textos sobre redução do número de plaquetas no sangue e sobre o resultado de um quadro de plaquetas baixas para o paciente. Mas neste texto vamos procurar entender como a multimistura da pastoral da criança, criada pela Dra Clara Brandão e apoiado pela memorável Dra. Zilda Arns obteve grande sucesso, mas que encontra opiniões contrárias.

Várias vezes nos deparamos na prática laboratorial, exames com plaquetas extremamente baixas, resultados de patologias diversas mas com maior ocorrência nos últimos anos provenientes de casos de dengue e em vários estados, malária. E a multimistura pode ser de grande ajuda para recuperar e alcançar valores normais de plaquetas.

Multimistura interfere positivamente na cadeia de criação da plaqueta

No final do texto temos a receita de como fazer a multimistura.

Na verdade os resultados de diversas ações em prol da criança, contra a desnutrição mostram que a multimistura seria capaz de interferir na cadeia de criação da plaqueta.

Ao interferir colaboraria para aumentar a concentração de plaquetas no sangue, este é um dos produtos naturais benéficos ao organismo que citei em outro texto.

Pesquisei sobre a ação do pó da mandioca e demais produtos como elementos propulsores do aumento plaquetário.

Encontrei alguns estudos superficiais e outros que não citam diretamente como sendo ativo no combate direto da queda de plaquetas.

Estudos citam o produto como ativador da medula para produção de plaquetas, leucócitos, hemácias e demais componentes sanguíneos.

Estudos sobre a multimistura

Batalha e colaboradores (Faculdade de medicina Souza Marques), fizeram um estudo, citado na revista de pediatria soperj.

Observaram o crescimento de crianças através da aplicação da multimistura durante três meses em creche conveniada a Faculdade.

Concluíram que a introdução da multimistura na alimentação dessas crianças mostrou-se eficaz no controle da desnutrição.

Apresentando-se como medida de baixo custo e de fácil administração, constitui recurso valioso, principalmente para países em desenvolvimento, como o Brasil.

Hosana Bandeira e colegas realizaram um estudo com o objetivo de avaliar a influência de uma Multimistura no que se refere à biodisponibilidade mineral em animais de laboratório.

Obtiveram resultados apontando a multimistura, observam que não acarretou diferenças nos níveis séricos de minerais analisados.

Em relação à série vermelha, os grupos avaliados estavam dentro da faixa de normalidade e quanto as plaquetas apresentaram-se em maior número no Grupo I e, em menor, no Grupo 0.

Na avaliação da série branca, os leucócitos apresentaram menor número no Grupo 0. Neste estudo, observou-se que as séries vermelha e branca não sofreram alteração com a adição do suplemento à dieta.

O programa de orientação alimentar contra a desnutrição

No site sobre a multimistura descrevem a trajetória da Dra. Clara Brandão, o programa de orientação alimentar contra a desnutrição, desenvolvido por ela.

Presente em todos os estados brasileiros e em mais 15 países da América Latina, África e Ásia.

Seu sucesso deve-se, em grande parte, aos parceiros, como a Pastoral da Criança, o Programa de Agentes Comunitários de Saúde – PACS,

Além do programa de Saúde da Família – PSF, ONGs e outras instituições que passaram a utilizá-lo em suas ações de cidadania, mas o governo federal resolveu substituir a multimistura pelas multinacionais, entenda essa história.

Governos deveriam fazer, não fazem, quando alguém faz, se sentem ofendidos e dizem que não deveria ser feito daquela forma.

Quem fez o que aquele deveria ter feito merece todos os méritos. O Anderson Porto fala mais sobre este assunto, acompanhe.

Multimistura colabora para reversão de plaquetas baixas

Depois de ler vários textos e trabalhos sobre o assunto, além destes citados aqui, acho sim que a multimistura pode ser importantes na colaboração para reversão de um quadro de plaquetas baixas.

Além de ser importante para formação de demais elementos provenientes da medula óssea, como hemácias, e células de defesa.

Pois, estamos oferecendo elementos importantes na formação destes componentes sanguíneos.

Mas quero deixar claro que devemos primeiro avaliar o motivo da queda de plaquetas.

Quando o médico, apoiado em exames laboratoriais e quadro clínico, descobrir a doença causadora, instala medicação, poderíamos  usar a multimistura para colaborar com o tratamento, e não como pilar de tratamento nestes casos.

Receita básica da multimistura

Receita básica: 50 gr de casca de ovo fervida, torrada e triturada (opcional)

50 gr de semente de abóbora torrada ou semente de gergelim triturada.

600 gr de farelo de arroz triturado e cozido (sem colocar água).

200 gr de farinha de milho ou fubá.

100 gr de pó de folha de mandioca (aipim) torrada no forno baixo, triturada e peneirada (contém ferro e vit C). Misturar tudo.

Obs: Guardar na geladeira por até 4 meses.

Não deve ser cozida. Não deve ser usada a folha da mandioca brava pois é tóxica, use a mandioca doce conhecida como macaxeira ou aipim.

Criança pequena: comer 2 colheres de chá por dia misturada na comida ou sucos. Adultos: 2 colheres de sopa.

A leitora Maria Lúcia indicou no Rio, um local para conseguir o pó de mandioca:

“Achei o pó da mandioca aqui no RJ, fica em Niterói itaipu, em frente ao shopping de itaipu, só tem uma loja orgânica lá, pode falar que foi a Lucia da Penha que indicou.”