Análise do peptídeo C é útil para distinção entre tumores secretores de insulina e diabetes tipo 1 e 2 e na avaliação da reserva insulínica pancreática. Veja neste texto mais detalhes do teste peptídeo C. Saiba como é o jejum para realizar este exame e sobre os valores normais e alterados.

O peptídeo C é uma cadeia de 31 aminoácidos, com massa molecular de aproximadamente 3020 daltons, metabolicamente inerte, como um produto da clivagem enzimática da pró-insulina a insulina. O médico pode solicitar o exame realizado no sangue ou na urina de 24 horas.

Como é o jejum e a coleta do material biológico para realizar o exame peptídeo C

Para realizar o teste de peptídeo C é necessário realizar um jejum de 8 horas antes da coleta do sangue.

Escolha o laboratório de análises clínicas de sua preferência para realizar o seu exame, após realizar o cadastro a equipe de coleta irá chamar a pessoa para coleta do sangue.

Este material é coletado do braço, depois será acondicionado em tubos de ensaio para posterior análise.

O teste também pode ser realizado na urina de 24 horas. Veja aqui como colher a urina de 24 horas.

O jejum para coleta do sangue em menores de 1 ano: Intervalo entre as mamadas (jejum de 3 horas).

E para crianças de 1 a 4 anos: 6 horas de jejum.

Crianças a partir de 5 anos: Igual critério para adultos

Não se esqueça de avisar a equipe de coleta sobre medicamentos em uso nos últimos 30 dias.

Níveis considerados normais para o teste peptídeo C

Os níveis de referência a ser considerado, quando a técnica usada para realizar o exame for eletroquimioluminométrico, no sangue o normal será um resultado de 1,10 a 4,40 ng/mL.

Na urina os valores normais são 30 a 120 ug/24h.

Valores aumentados estão presentes em insulinoma e diabetes do tipo 2.

Valores diminuídos estão presentes na administração de insulina exógena, diabetes do tipo 1.

Avaliação da reserva insulínica pancreática: em muitas circunstâncias clínicas, pode ser interessante determinar a existência ou não de uma reserva secretora de insulina.

Estas informações são importantes para determinar a terapêutica a ser adotada em relação a determinado paciente, em especial aqueles em uso de insulina, em que se antevê a possibilidade de substituição terapêutica.

A medida do peptídeo C, em condições basais ou após estímulo, é considerada o melhor método para estudo da reserva insulínica pancreática, por não sofrer interferências.