Hanseníase, antigamente chamada de lepra, é uma doença infecciosa, de evolução crônica (muito longa) causada pelo Mycobacterium leprae, ou Bacilo de Hansen, afeta principalmente a pele e os nervos das extremidades do corpo. Veja os sintomas, transmissão e diagnóstico laboratorial de Hanseníase, ao realizar a Pesquisa de BAAR – Bacilos álcool Ácido Resistentes na linfa, um baciloscópico, e também disponível teste rápido.

A doença tem um passado triste, de discriminação e isolamento dos doentes, que hoje diminuiu consideravelmente, não é necessário isolar, pois a doença pode ser tratada e curada.

Sinais e sintomas da Hanseníase

A hanseníase é uma doença que se manifesta por meio de sinais e sintomas dermatoneurológicos como lesões de pele e de nervos periféricos, principalmente nos olhos, nas mãos e nos pés.

As principais manifestações clínicas da doença são relacionadas ao comprometimento neurológico periférico.

Portanto, com grande potencial para provocar incapacidades físicas, que podem, inclusive, evoluir para deformidades.

As lesões mais comuns são:

  • Manchas esbranquiçadas ou avermelhadas – alteração na cor da pele,
    sem relevo.
  • Infiltrações – alteração na espessura da pele, de forma difusa.
  • Tubérculos – lesão sólida, elevada (caroços externos).
  • Pápulas – lesão sólida, com elevação superficial e circunscrita.
  • Nódulos – lesão sólida, mais palpável que visível (caroços internos).

Outros Sintomas Gerais precisam ser valorizados:

  • Edema nas mãos e nos pés.
  • nódulos eritematosos dolorosos.
  • Febre e também artralgia.
  • Mal estar geral.
  • Entupimento, feridas e ressecamento do nariz.
  • Ressecamento nos olhos.

Sinais e Sintomas Neurológicos

  • Diminuição ou perda de sensibilidade nas áreas com nervos, principalmente nos olhos, mãos e pés.
  • Dor ou espessamento dos nervos periféricos.
  • Diminuição ou perda de força nos músculos, frequente nas pálpebras, além de membros superiores e inferiores.

Como ocorre a transmissão da hanseníase

A transmissão se dá de indivíduo para indivíduo, por germes eliminados por gotículas da fala e que são inalados por outras pessoas penetrando no organismo pela mucosa do nariz.

E pelo contato direto com a pele através de feridas de doentes.

No entanto, é necessário um contato íntimo e prolongado para a contaminação ocorrer, como permanência na mesma residência.

É Importante fazer exame dos familiares do doente de hanseníase.

Formas de Hanseníase

Hanseníase indeterminada; hanseníase tuberculóide; hanseníase borderline (ou dimorfa); hanseníase virchowiana (ou lepromatosa).

Diagnóstico Laboratorial da Hanseniase

Veja como será a coleta do material biológico para realizar o exame direto para pesquisa do bacilo de hansen. Exame Baciloscópico em Hanseníase.

bacilos de hansen vistos ao microscópio

É importante informar o paciente sobre o procedimento que será adotado para coleta deste material.

Locais para retirada do material

Os locais para retirada do material será definido caso tenha alguma lesão na pele ou não.

Sem lesão na pela – Lóbulo orelha direita e lóbulo da orelha esquerda. No cotovelo direito e esquerdo.

Caso tenha alguma lesão na pele: Lóbulo orelha direita e lóbulo da orelha esquerda. No cotovelo direito e na lesão existente.

Nas lesões planas, será coletado no limite interno. Nos nódulos, tubérculos e placas eritematosas marginadas por microtubérculos, será coletado no centro.

E irá colocar o material biológico linfa nesta sequência em pequenos círculos em uma lâmina.

O laboratório usa um Kit de coleta com porta bisturi tensor de segurança para a coleta, lâmina de bisturi 15 e suporte. Além de lâminas novas (fosca) e desengorduradas.

A equipe de coleta fará uma assepsia do local com álcool.

Como é realizada a coleta do exame BAAR na linfa

Será feito uma prega na pele onde o material será coletado  – Mantido pressão até retirada do material.

exame hanseniase pesquisa - coleta do material

Depois um pequeno corte na pele é realizado, de aproximadamente 5 mm de extensão por 2 mm de profundidade com a lâmina de bisturi número 15.

Se fluir um pouco de sangue irá enxugá-lo com algodão seco.

Será raspado uma quantidade ideal de material das bordas e do fundo do corte realizado.

O material será distribuído sobre a lâmina de vidro em áreas de aproximadamente 5 a 7 mm de diâmetro, por movimentos circulares, com a parte romba da lâmina de bisturi.

Os esfregaços não devem conter sangue, pois sua presença pode acarretar resultados errôneos.

Para corar as lâmina é usado técnica de coloração pelo método de Ziehl- Neelsen. Com solução de álcool-ácido a 1%.

Depois de corado o material será analisado por um laboratorista em um microscópio, procurando os bacilos álcool-ácido resistentes.

Resultado positivo ou negativo do exame

Resultado negativo – Nenhum BAAR em 100 campos microscópicos.

Se o resultado for positivo o resultado do exame ao microscópio será liberado seguindo a escala de índice bacteriológico proposto por Ridley em 1962.

Baseia-se em uma escala logarítmica com variação entre 0 a 6. É o método de avaliação quantitativo mais correto e utilizado na leitura da baciloscopia em hanseníase.

1+ > 1 a 9 BAAR em 100 campos microscópicos.
2+ > 10 a 99 BAAR em 100 campos microscópicos.
3+ >100 a 999 BAAR em 100 campos microscópicos.
4+ >1000 a 9.999 BAAR em 100 campos microscópicos.
5+ >10.000 a 99.999 BAAR em 100 campos microscópicos.
6+ >mais de 100.000 BAAR em 100 campos microscópicos.

Resultado da verificação da lâmina, bacilos visualizados

Os bacilos aparecem sob a forma de bastonetes em fundo azul devido a coloração realizada. Podendo ser retos ou ligeiramente curvos.

O índice morfológico é utilizado para descrever o aspecto da morfologia do M. leprae nos
esfregaços visualizado no microscópio.

Quando bacilos estiver distribuídos igualmente – bacilos sólidos. E quando de forma desigual – bacilos fragmentados ou em forma granular – granulosos.

tipos de bacilos no exame hanseniase

Já os bacilos em forma de cachos são chamados de globias.

Quando ocorre presença de Bacilos sólidos estão relacionados com presença de microorganismos viáveis ou vivos.

Geralmente vistos nos casos novos, recentes, ainda não tratados ou nas recidivas.

Bacilos fragmentados – São bacilos que apresentam pequenas falhas em sua parede celular, são considerados inviáveis ou mortos.

são frequentemente observados em esfregaço de pacientes em tratamento ou após término do tratamento.

Bacilos Granulosos – São bacilos que apresentam grandes falhas em sua parede celular, apresentando apenas pequenos pontos (grânulos) corados em vermelho.

São considerados inviáveis ou mortos e também são frequentemente observados em esfregaço de pacientes após término do tratamento.

Atenção para os sintomas, procure uma unidade de saúde

Ao notar algum dos sintomas da Hanseniase – lepra: manchas na pele, dormência, queda de pelos, caroços e inchaços no rosto e na orelha, falta ou diminuição de sensibilidade, procure o sistema de saúde do seu município.

Os postos de saúde, PSF ou policlínicas, contam com trabalhadores da saúde aptos a lhes prestar esclarecimentos, marcar consultas, incluir em programas assistenciais.

Realize uma consulta médica e se o profissional identificar a necessidade de um exame Baciloscópico em Hanseníase, na instituição encaminham o paciente para procedimento de coleta do material biológico.

Se for positivo o resultado do exame, a medicação também deve ser cedida pela rede básica de saúde.

Está disponível em algumas unidades o teste rápido para hanseníaseVeja aqui sobre o teste rápido para hanseníase, um novo aliado, para detectar e combater a doenças.

O teste se se apresenta positivo antes dos sintomas, rápido e simples para realizar.

Desenvolvido por pesquisadores de Seattle, nos EUA, e a notícia boa, produzido aqui no Brasil pela OrangeLife.

Se você tiver alguma dúvida ou notar algum desses sinais procure um posto de saúde perto da sua casa ou ligue no Tele Hansen: 0800-262001.