Depois de tudo que já se falou sobre a dengue, a epidemia, a crise na saúde pública do Rio, de quem é a culpa e de quem é o mosquito Aedes aegypti, e a larva do mosquito é do presidente ou do governador ou do prefeito, e os sintomas, falta de controle, entre tantas outras coisas, vou me ater no tema laboratorial – sobre qual exame deve ser feito em casos de suspeita de dengue, resultado, métodos utilizados para fazer o exame.

Não vou explicar os detalhes de causa, sintomas, efeito, mecanismo de ação, ou medidas de proteção, e cuidados. Vou sim, falar sobre os exames que podem ser feitos quando se suspeita que está com dengue. Qual exame devo fazer nestes casos para descobrir se é realmente dengue?

Sobre a dengue no Rio

Antes disso, apenas um comentário sobre a “propriedade” do mosquito. Eu não sou morador do Rio de Janeiro, mas na minha cidade, ano passado, surgiu um grande número de casos de dengue, sendo que na época, o prefeito, sabendo que 2008 seria ano político, depois de não ter tomado nenhuma medida para combater a dengue nos primeiros três anos do seu mandato, resolveu, no último ano, agir. Conseguiu reduzir os casos de dengue no ano de 2008 a níveis imperceptíveis. Diferente das autoridades de saúde do Rio de Janeiro que não tiveram uma percepção sanitária sobre a doença, e muito menos política, que é o que geralmente os preocupa. Mas é claro que não é só os governantes os culpados, a população também tem sua parcela de culpa, claro.

Dito isso, passo ao caso dos exames para detectar dengue. Os sorotipos do vírus sabemos que são 1, 2, 3 e 4 (já encontrado no país) e que o vírus é de família que tem várias espécies, entre elas o vírus da febre amarela, e que o material de proteínas que envolve o vírus, possui uma parte que é comum a outros vírus, e este fato pode levar a reações cruzadas, ou seja resultados falso negativos ou falso positivos 1,7%.

Um teste realizado é o Imunoensaio enzimático IgM: detecta anticorpos IgM específicos para os quatro sorotipos. O teste IgM tem a capacidade de detectar anticorpos anti-IgM em praticamente 80% dos pacientes com 5 dias de doença, contados a partir do início dos sintomas; e por volta de 93% dos pacientes com 6 a 10 dias de doença e 99% entre 10 e 20 dias. É importante dizer também que raros pacientes não desenvolvem IgM com até 8 dias da doença. O anticorpo IgM é detectado na doença primária, com valores altos, e na infecção secundária. E também raros pacientes com infecção secundária não se encontra IgM positivo. Já na infecção terciária os valores são baixos ou negativos. IgM pode persistir por mais de 90 dias, mas na maioria torna-se indetectável após 60 dias do início do quadro clínico. Lembrando que se for feito uma coleta de sangue antes do quinto dia, é muito provável que de resultado negativo, pois ainda não estava na data certa para colher o material, como dito acima.

Imunoensaio enzimatico IgG: É menos específico para dengue que os anticorpos IgM o que pode levar a resultados falso positivos. Devido também a aquela parte comum, ou igual a toda família, pode ser que de positivo o IgG em pessoas vacinadas contra febre amarela, por exemplo. É importante a realização dos dois exames IgM e IgG em casos de pacientes reinfectados eventualmente não sofrem elevação da IgM.

Resultado do exame de sorologia para dengue – imunoensaio enzimático:

Geralmente os valores do resultado do exame se apresentam com a seguinte referência: Negativo – Valor menor que 0.90; indeterminado – entre 0.90 e 1,10 e positivos – quando o valor for maior que 1,10.

Portanto, o ideal para realizar a coleta do sangue, que deve ser, depois de um jejum de 8 horas, 7 dias após o início dos sintomas.

Existe ainda o exame PCR para dengue, um teste por metodologia biologia molecular.
Em determinadas situações, a dengue, pode evoluir para forma hemorrágica, que raramente acontece na infecção primária. Sendo comum na reinfecção, geralmente quando o vírus causador e o 2 ou 3.

Existe também a possibilidade de realizar o teste rápido para detectar a dengue, que é uma tira impregnada com os reagentes necessários para que quando o sangue do paciente possuir anticorpos IgG e IgM desenvolve a formação de uma linha colorida naquela área, sendo em um local da fita para detectar IgM e outro para detectar IgG e uma linha de controle, para saber se o material esta funcionando corretamente.

Resultado do exame de dengue teste rápido:

Negativo: Uma única linha na área de controle informa que não foram detectados anticorpos IgG e IgM anti-dengue. Faça um novo teste de 3 a 5 dias se a infecção por dengue ainda é suspeita.

Positivo IgM: Linha controle e a linha IgM visíveis na tira, amostra é positiva para anticorpos IgM anti-dengue. Indica uma infecção primária de dengue.

Positivo IgG: Linha controle e a linha IgG visíveis na tira, amostra é positiva para anticorpos IgG anti-dengue. Indica uma infecção secundária de dengue.

Positivo IgG e IgM: Linha controle da linha IgM e a linha IgG visíveis na tira, indica infecção primária tardia e infecção secundária recente. Anti- Dengue IgM/IgG positivo.