Estudo publicado recentemente na revista Redox Biologia, Buettner e seus colegas avaliaram os detalhes de como altas doses de vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é capaz de matar as células cancerosas.

Na verdade, a vitamina C, em outros estudos se mostrou em alguns momentos eficaz ao tentar destruir as células presentes em processos cancerosos, mas em outros teve pouco ou nenhum benefício nestes casos, mas os pesquisadores da Universidade de Iowa acreditam que é porque muitas vezes tem sido usado de uma forma que não seja a ideal.

Uso da Vitamina C por via oral e por via intravenosa

Grande parte dos estudos que usaram a vit. C com a intenção de destruir células afetadas por câncer, foi administrada por via oral, pode ser que isso tenha levado a resultados pouco animadores.

Os cientistas da Universidade de Iowa, mostraram que a vitamina C usada por via intravenosa surtia muito mais efeito, desta forma criava níveis sanguíneos 100 a 500 vezes superiores aos níveis por via oral.

E esta elevada concentração foi crucial para alcançar a morte de células cancerosas.

Trabalhos anteriores realizados pelo especialista em biologia, Garry Buettner apontavam que níveis extremamente altos de vitamina C mata seletivamente células cancerosas, mas não células normais.

Ensaios clínicos para o câncer de pâncreas e de pulmão usando altas doses intravenosas de vitamina C, com quimioterapia padrão ou radiação, em cobaias, mostrou bons resultados.

Recentemente Buettner e seus colegas, publicaram na revista Redox Biologia. Mostraram os pormenores deste efeito de doses altas de vitamina C para mata as células cancerosas.

Como ocorre a morte de células cancerosas com uso de Vitamina C

Verificaram que a vitamina C quebra facilmente, gerando peróxido de hidrogênio, uma espécie de oxigênio reativo que pode danificar tecido e DNA.

O estudo também mostra que as células tumorais são muito menos capazes de remover o peróxido de hidrogênio prejudicial do que as células normais.

Portanto, células cancerígenas são muito mais propensas a danos e morte por uma quantidade elevada de peróxido de hidrogênio.

Por isso, níveis muito elevados de vitamina C utilizados nos ensaios clínicos não afetam o tecido normal, mas pode ser prejudicial para o tecido tumoral.

A catalase e o peróxido de hidrogênio

Células normais têm várias maneiras de remover peróxido de hidrogênio, mantendo-o em níveis muito baixos para que ele não cause danos.

A enzima catalase é a rota para a remoção de peróxido de hidrogênio, as células com menores quantidades de atividade da catalase foram mais suscetíveis a danos e morte quando foram expostos a altas quantidades de ácido ascórbico.

Pesquisadores afirmam que cânceres com baixos níveis de catalase são susceptíveis de ser os mais sensíveis à terapia usando alta dose de vitamina C, enquanto que em cânceres com níveis relativamente elevados de catalase, baixo resultado é obtido.